Melo e Kubot encerram parceria de quatro anos com vitória no ATP Finals

Abraço após o final do jogo desta quinta (Foto: Divulgação / ZDL)
Foram quatro anos de parceria e muitos momentos marcantes. Como a conquista de Wimbledon, entre os 15 títulos comemorados pela dupla. A partir de 2021, o mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot decidiram seguir caminhos diferentes no circuito. Após o quarto ATP Finals que disputaram juntos neste final de temporada 2020, os dois encerram a parceria levando na bagagem títulos, vitórias, momentos de comemoração e, também, de superação, com um balanço muito positivo.

O último jogo de Melo e Kubot juntos foi nesta quinta-feira (19), na terceira rodada do Grupo Mike Bryan do ATP Finals, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra. E com vitória. Ao final da partida em que derrotaram o holandês Wesley Koolhof e o croata Nikola Mektic, muita emoção, abraço e choro dos dois tenistas. Dupla marcou 2 sets a 1, parciais de 6/4, 6/7 (2-7) e 10-8, em 1h44min, com uma bela atuação e com direito a um ponto sensacional, ao abrir 9/7 no match tie-break e, depois, comemorar a vitória por 10-8. Melo e Kubot dominaram o primeiro set, viram os adversários vencerem o segundo, no tie-break, levando a decisão para o match tie-break, vibrando muito ao longo de todo o jogo, a cada ponto conquistado.

Ao falar do final da parceria, Melo mostrou toda a sua emoção. “Realmente foi muito emocionante o final do jogo, por várias circunstâncias. Pela maneira que foi, mais um match tie-break. E em especial por ter sido o último jogo meu e do Kubot juntos. Nós que fizemos história nesse tempo todo. Então, é muito emocionante para nós. Uma vida juntos, inúmeras conquistas e a felicidade de terminar aqui no Finals”, afirmou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio da Volvo, Orfeu Cafés Especiais, Head, Voss, Foxton, Asics, Bolsa Atleta e Confederação Brasileira de Tênis.

“Fico muito feliz de ter terminado com essa vitória. Kubot se tornou um grande amigo. Deixamos a parceria, mas seguimos amigos, logicamente, agora do circuito para a vida. Importante é saber que fizemos o máximo que pudemos. Chegamos a número 1 do mundo, tivemos a conquista de Wimbledon. Só coisas positivas na nossa carreira. Mas, agora cada um segue o seu caminho. Kubot sempre agradece o carinho que as pessoas têm com ele, quando foi ao Brasil jogar o Rio Open. Muito obrigado. Por mim, falando por ele, por este momento e pelo apoio e pela torcida nesse tempo todo”, completou Marcelo.

Muita história em quatro anos de conquistas – Uma história que começaram a construir em 2015, quando jogaram juntos pela primeira vez, em outubro, no ATP 500 de Viena e foram campeões. Que seguiu com a disputa de três torneios em 2016. Novamente Viena, com o bicampeonato, além de Shanghai e Beijing, na China. A partir de janeiro de 2017, iniciaram a parceria.

Por 15 vezes, Melo e Kubot comemoraram títulos: um Grand Slam, quatro Masters 1000, sete ATP 500 e três ATP 250. Em Grand Slam têm, também, o vice do US Open em 2018. Juntos ganharam pelo menos um torneio por ano desde 2015. E, nas quatro temporadas de parceria, garantiram classificação entre as oito melhores duplas para a disputa do ATP Finals.

No total, desde que entraram pela primeira vez na quadra, em Viena, disputaram até o Finals deste ano 88 torneios, 247 jogos, com 170 vitórias. Entre 2015 e 2016 foram quatro torneios, 12 jogos e 10 vitórias. De 2017 até agora, 84 torneios, 235 jogos e 160 vitórias. Nos 88 torneios, conquistaram 15 títulos, 11 vice-campeonatos e chegaram a 11 semifinais.

O primeiro torneio da parceria, em janeiro de 2017, foi o ATP 250 de Sidney, na Austrália, iniciando uma temporada em que conquistaram seis títulos, incluindo o Grand Slam, o tradicional torneio de Wimbledon, em julho, após uma maratona de cinco sets e 4h39min diante do austríaco Oliver Marach e do croata Mate Pavic.

Ano de 2017 em que Marcelo Melo voltou a ser número 1 do mundo, que terminaram como parceria número 1 da temporada – com Melo em primeiro e Kubot em segundo no ranking mundial individual de duplas – e que foram vice-campeões do ATP Finals. Receberam, também, o prêmio de campeões mundiais ITF 2017 em dupla masculina, pela Federação Internacional de Tênis.

Ao longo da parceria, sempre encerraram a temporada entre os Top 10. Além dos números de 2017, em 2018 ficaram empatados em nono lugar no ranking mundial individual de duplas e foram a quinta melhor parceria do ano. Em 2019, dupla número 2 do mundo, com Kubot em sexto e Marcelo em sétimo no ranking. Agora, terminam 2020 como a oitava parceria do mundo, com 2140 pontos. No ranking mundial individual de duplas, os dois estão empatados em sétimo lugar, com 5.700 pontos.

Nesta temporada conquistaram dois títulos – os ATP 500 de Acapulco e de Viena – comemorando o tricampeonato na Áustria. Um ano com 14 torneios, 22 vitórias, marcado pela paralisação do circuito em função da pandemia da Covid 19, suspenso em março e retomado apenas em agosto, com todos os desafios de jogar em meio aos testes e rígidos protocolos de combate ao Coronavírus.

Títulos de 2015 a 2020
2020 – ATP 500 de Acapulco e ATP 500 de Viena
2019 – ATP 250 de Winston-Salem
2018 – ATP 250 de Sidney, ATP 500 de Halle, ATP 500 de Beijing, Masters 1000 de Shanghai
2017 – Masters 1000 de Miami, Masters 1000 de Madri, ATP 250 de ‘s-Hertogenbosch, ATP 500 de Halle, Wimbledon – Grand Slam, Masters 1000 de Paris
2016 – ATP 500 de Viena
2015 – ATP 500 de Viena

Vice-campeonatos
2020 – ATP 250 de Colônia
2019 – ATP 500 de Viena, Masters 1000 de Shanghai, ATP 500 de Beijing, ATP 500 de Halle e Masters 1000 de Indian Wells
2018 – US Open – Grand Slam
2017 – ATP Finals, Masters 1000 de Shanghai, ATP 500 de Washington, Masters 1000 de Indian Wells

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *