Após treinos nos Estados Unidos, Marcelo Melo planeja retorno ao Brasil

Marcelo treinou oito semanas no resort em Tampa (Foto: Divulgação)
O mineiro Marcelo Melo viajou para os Estados Unidos no início de março. Com o cancelamento dos torneios que disputaria no país, em função da pandemia do novo coronavírus, e na sequência o anúncio da paralisação do circuito, seguiu treinando, primeiro em Indian Wells, na Califórnia, depois no Saddlebrook Tennis Resort, em Tampa, na Flórida. Pouco mais de dois meses, com uma rotina de treinamentos físicos e em quadra. Agora, Melo planeja o retorno ao Brasil na semana que vem. Em Belo Horizonte (MG), aguardará os próximos passos da volta do tênis, inicialmente prevista para o dia 13 de julho.

“Treinamos muito aqui, eu o Sascha (Alexander Zverev), oito semanas seguidas dentro do resort, sempre respeitando as regras de isolamento, o cuidado nestes tempos de pandemia, colocando a saúde de todos em primeiro lugar. Daqui a uma semana, volto para Belo Horizonte, para dar uma descansada e planejar a sequência dessa rotina sem torneios”, explica Marcelo, patrocinado por Centauro, BMG, Itambé e Taroii, com apoio de Asics, Orfeu Cafés Especiais, Volvo, VOSS e Confederação Brasileira de Tênis.

Nesta semana, Melo está na cidade de Marco Island, também na Flórida, e tem treinado fisicamente na praia, correndo e mantendo a forma. “A praia está liberada por aqui para uso desde que seguindo os cuidados destes tempos de Covid-19, com distanciamento. Nesta área que estamos, na Flórida, na verdade, nunca tivemos um isolamento muito severo. E agora está até melhorando. Mas, nas semanas anteriores, ficamos praticamente todo o tempo dentro do resort. Para o retorno ao Brasil, está tranquilo também, com frequência menor de voos, mas sem maiores problemas para voltar. Impressionante é ir ao aeroporto e ver como tudo mudou, tudo fechado, uma nova realidade para todos”.

Quanto ao retorno, Melo, assim como todos os tenistas, aguarda o que será possível realizar ainda este ano. “Por enquanto, o oficial, é julho. Mas acho difícil. Tudo vai depender de como as coisas evoluírem. Minha opinião é que enquanto tiver quarentena, restrições nos países, será complicado retomar. Muito se tem falado da vacina contra o coronavírus. Eu tomaria para precaver, prevenir, e não só para poder voltar a jogar, mas como questão de saúde mesmo”, observa Marcelo.

Durante a paralisação do circuito, surgiram várias sugestões, como unir a ATP com a WTA. “Acho que é uma discussão mais em nível burocrático do que tenístico. Importante é usar este tempo para que o tênis volte mais forte lá na frente”, completa.

Os pontos dos rankings estão congelados. Melo e o parceiro polonês Lukasz Kubot ocupam a sexta colocação na Corrida para Londres, com 815 pontos. No ranking mundial individual de duplas, aparecem empatados em quinto lugar, com 5.140 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *